quinta-feira, 10 de abril de 2014

Sabores da Madeira: peixe-espada preto com banana


Quem mora longe da sua terra natal sabe que de vez em quando a nostalgia bate à porta: saudade das pessoas, dos lugares, do mar, da luz e das cores. Saudade dos sabores. Principalmente daqueles que fizeram parte da nossa infância e que por serem habituais não dávamos o seu devido valor. Estavam sempre lá, à distância de uma garfada. No entanto, quando optamos por viver longe uma das formas de nos sentirmos mais confortados nesses momentos de nostalgia é conseguir reproduzir esses sabores, o que nem sempre é fácil. No meu caso, entre outros que eu já partilhei neste blog (como o bolo do caco ou o milho frito), um dos pratos típicos da ilha da Madeira e que eu comi muitas vezes quando era criança é o peixe-espada preto (frito, grelhado, cozido ou até assado), muito abundante nas nossas águas. E uma das formas que eu adoro comer este peixe é acompanhado com banana frita (da Madeira, claro). 
Foi o que aconteceu este fim-de-semana: nem sempre é fácil conseguir peixe-espada preto por cá, mas quando encontro, na peixaria do mercado, não hesito em trazê-lo. Tradicionalmente esta receita é feita com farinha de trigo, eu, como sabem, não posso usá-la, por isso uso normalmente farinha de milho (que na minha opinião ainda fica melhor porque tem um sabor mais rico e o peixe fica muito estaladiço). Desta vez, no entanto, também não tinha disponível essa farinha e acabei por usar farinha de arroz integral. Se quiserem uma versão mais saudável podem grelhar o peixe em vez de fritá-lo e nesse caso não precisam de passar por farinha alguma; devem, no entanto, escolher postas mais grossas. Quanto à banana nunca experimentei grelhá-la e não sei se funcionará muito bem. Espero que gostem tanto como eu:

Peixe-espada preto com banana (para 4 pessoas)

Ingrediente
4 postas finas ou filetes de peixe-espada preto;
4 bananas da Madeira;
1 limão;
1 dente de alho;
1/2 colher de chá de gengibre em pó q.b;
salsa q.b;
sal q.b;
farinha de milho (ou de arroz integral);
1 a 2 ovos biológicos;
azeite q.b;
óleo de girassol biológico prensado a frio;
 
Como eu fiz:
Deixei o peixe-espada preto por meia hora (pode ser mais) numa marinada com o sumo de limão, um pouco de azeite, o gengibre em pó, o alho e a salsa picada (erva de excelência quando se cozinha este peixe).
Num prato coloquei a farinha em quantidade suficiente para poder envolver cada posta de peixe de forma a ficarem totalmente enfarinhadas. Num outro prato bati os ovos e passei cada lado das postas de peixe primeiro pelo ovo e depois pela farinha. Numa frigideira coloquei um pouco de azeite e óleo (não é preciso muito, o suficiente para cobrir o fundo da frigideira). Quando já estava bem aquecido coloquei as postas de peixe e deixei cozinhar de cada lado durante aproximadamente 5 minutos. Se o óleo estiver muito quente devem diminuir a intensidade do calor para não queimar por fora e ficar cru por dentro. Quando se formou uma crosta bem dourada retirei as postas da frigideira e coloquei num prato com papel absorvente. 
Repeti o mesmo processo com as bananas previamente descascadas: envolvi-as no ovo e na farinha (ajuda a que não se desfaçam na frigideira, no entanto, tradicionalmente são fritas sem ovo e farinha) e coloquei-as na frigideira virando-as com alguma frequência e cuidado até terem ficado totalmente douradas (quanto mais madura for a banana mais cuidado devem ter neste processo). Coloquei depois no prato com papel absorvente. Podem acompanhar com arroz de grelos ou legumes.

Na foto coloquei uma banana que foi previamente panada (a que está mais próxima do peixe) e outra sem farinha para verem a diferença.



 A garfada perfeita!



Sem dúvida que é uma das minhas recordações de infância e sempre que faço é uma sensação reconfortante e de regresso a esses tempos. Espero que ao experimentarem também sintam o prazer dos sabores desta ilha, que é de todos nós.


 



2 comentários:

  1. As fotografias estão fabulosas. Se ao menos conseguissem reproduzir cheiros... (paladar já era pedir demais).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Woman Once a Bird. E sim, é uma pena que as fotografias (ainda) não consigam reproduzir cheiros :). Mas ainda bem que consegui com a imagem passar a ideia de como se trata de um prato muito saboroso ;).
      Beijinhos

      Eliminar